A DOR MUSCULAR DO DIA SEGUINTE

Existe um quadro de dor muscular que todos nós já experimentamos. Trata-se daquela dor que aparece não imediatamente após, mas no dia seguinte de uma atividade ou esforço físico mais intenso, mais prolongado ou que se caracterize por movimentos ou posturas que não estamos acostumados a fazer.

Na hora, ou imediatamente após, temos somente aquela sensação de cansaço um pouco mais acentuado e que parece que não vai ter nenhuma consequência maior. No entanto, o dia seguinte as vezes é tenebroso !

Geralmente a constatação do “estrago” ocorre ao sair da cama no dia seguinte, quando muitas vezes a percepção é de se estar totalmente “travado”.

Este quadro era geralmente associado ao acúmulo de ácido láctico nos músculos, tanto é que o que se costumava recomendar é que o indivíduo fizesse exercícios para “soltar” ou desintoxicar os músculos.

Na realidade a suposição acima constitui-se em um erro conceitual que pode-se dizer é consagrado pelo uso. O quadro da dor do dia seguinte não tem nada a ver com o chamado ácido lactico, nem se constitui numa situação que os músculos estejam intoxicados. O que acontece é o seguinte: Quando solicitamos nossos músculos acima de um certo limite de tolerância, o qual varia demais de um indivíduo para outro, provocamos o que a ciência chama de micro-traumas.

Trata-se de um trauma microscópico que acomete algumas fibras musculares “machucando” os músculos. A resposta a este trauma vai ser um processo de reparação do “estrago” que se caracteriza por um processo inflamatório. Desencadeia-se então uma inflamação dos músculo inclusive com um processo de edema que chega a provocar aumento de volume. Isto dói e chega em casos mais sérios a provocar incapacitação funcional. Algumas vezes pode provocar até aumento da temperatura corporal.

Felizmente este processo evolui em pouco tempo (no máximo alguns dias) para a absoluta normalização sem deixar nenhuma sequela.

A questão é reconhecer o quadro e não conduzir o período de recuperação de forma errada. Fazer exercícios com o músculo dolorido, alongar os músculos etc não vão ajudar em nada, podendo até causar um dano maior.

Nos próximos artigos serão abordadas as principais condutas recomendadas pela literatura científica para atenuar este quadro.

 

Saiba mais

As dores musculares consequentes à prática  de atividade física intensa constituem um dos quadros mais comumente observados entre praticantes de esportes e exercícios tanto recreativos quanto estéticos.

O quadro é transitório e clinicamente descrito por sinais e sintomas que na literatura científica, tem sido denominado de DOMS (Delayed Onset of Muscle Soreness) (Carter, Dobridge, Hackney 2001, Brockett, Morgan, Proske 2001, Kulig, Powers, Shellock, Terk 2001), ou DMIT (dor muscular de início tardio).

A DOMS tem sido caracterizada na literatura por edema, perda da amplitude de movimento (ADM) devido a diminuição da flexibilidade, perda de força muscular do membro afetado, aumento dos níveis séricos de Ceatina Quinase (CK), Desidrogenase Láctica (DHL), mioglobina e fragmentos da cadeia pesada de miosina e manifestação subjetiva de dor muscular.

O quadro é, a consequência de um processo inflamatório desencadeado pela ocorrência de micro-traumas difusos nas fibras musculares solicitadas, com manifestações dolorosas de leves a intensas e que são exacerbadas pela movimentação ou palpação. A dor pode ser experimentada entre 8- 72 horas após o exercício, podendo persistir  por 5 –10 dias, e cujo pico pode ocorrer entre 24 e 48 horas após sua indução. (Bobbert, Hollander, Huijing 1986, Newham, Jones, Ghosh , Aurora 1999, Cleak, Eston 1992, Craig, Cunningham, Walsh, Baxter, Allen 1996).

O aumento à sensibilidade dolorosa, é resultado do edema e da sensibilização dos nociceptores intramusculares por substâncias algogênicas liberadas após o estiramento e ruptura da banda Z (dano muscular).

A DOMS poder ser provocada por qualquer exercício não habitual e  com intensidade e/ou duração maior que o habitual, porém, os exercícios excêntricos, ou seja, aqueles que solicitam que o músculo se contraia enquanto é alongado, são reconhecidamente capazes de provocar maior trauma e, portanto maior incidência do processo (Paddon-Jones, Muthalib,  Jenkins 2000, Dierking, Bemben, Bemben, Anderson 2000).

Este maior dano muscular decorrente do exercício excêntrico é explicado pela exposição de um número relativamente pequeno de fibras musculares a altos picos de torque, gerados durante o alongamento ativo.

Quanto ao tratamento do quadro, encontramos na literatura vários procedimentos propostos, como por exemplo: suplementação nutricional pós-treino e a base de antioxidantes, manipulação, alongamento, hidroginástica, massagem, crioterapia, compressão, eletro, termo e fototerapia, além do uso de medicação analgésica e/ou anti-inflamatória. (Zhang, Clement, Taunton 2000, Almekinders 1999, Johansson, Lindstrom, Sundelin, Lindstrom 1999, Craig, Barron, Walsh, Baxter, 1999, Craig, Barron, Walsh, Baxter, Allen 1999, Phillips, Childs, Dreon, Phinney, Leeuwenburgh 2003).

Co-autora: Dra Gerseli Angeli

Anúncios

10 thoughts on “A DOR MUSCULAR DO DIA SEGUINTE

  1. Prof.Dr. Turibio, parabéns pelo artigo. Muito bem explanado. Como pós graduando em fisiologia do exercício, tenho algumas dúvidas acerca da DMIT. O dano muscular resultante das micro-lesões decorrente de exercícios, como os de força, é necessario para o reparo muscular. Esse reparo é feito pelas células do sistema imune, certo? Então, ao utilizar antiinflamatório para minimizar a DMIT eu não estaria ao mesmo tempo excluindo ou bloqueando esse reparo muscular? E ainda utilizando a medicação, ao invés das fibras musculares se repararem gerando hipertrofia elas poderiam “cicatrizar” o local do dano excluindo a hipertrofia?
    o, ao invés das fibras musculares se repararem gerando hipetrofia elas poderiam “cicatrizar” o local de dano muscular

    • Caro Rodrigo. Parabéns pelo comentário.
      Vc tem razão. O uso de antiinflamatórios é um recurso de último caso.
      Podemos dizer que só deve ser usado quando o quadro é incapacitante.
      Ele pode inclusive causar fibrose neste tecido cicatricial
      Um grande abraço

  2. Dr. Turíbio, ótimo artigo! Sou estudante de Educação Física, Lí uma vez uma vez uma explicação do Dr. Antonio Sergio Tebexreni que o acúmulo de ácido lactico nos músculos pode gerar uma hiperacidez e causar fadiga. É correto afirmar que o ácido lactico é um dos principais indutores da fadiga?
    Abraço

  3. Dr. Turibio,
    A dor muscular “do dia seguinte” é causada por micro-traumas que acometem as fibras musculares. A resposta do organismo a estes micro-traumas vai ser um processo inflamatório. Pelos meus conhecimentos, esse processo inflamatório é exagerado, desencadeando mialgia e artralgia. O senhor concorda que o processo inflamatório originado pelo organismo é exagerado???

    Quanto ao tratamento do quadro utilizo:
    – Suplementação nutricional com Whey Protein + leite semidesnatado pós-treino. Está correto???
    – Quais antioxidantes posso utilizar???
    – Em casos mais extremos, quando chega a ocorrer lesão no treino determinando artralgia, utilizo corticóide (dexametasona) IM. Não vejo nenhum malefício. O que acha???
    – Não concordo com o uso de anti-inflamatórios, porque, além de promoverem danos na mucosa gástrica vão determinar danos nos rins, se utilizados com maior frequência. Não uso. O que acha???

    Abraços.

  4. Caro Dr Turibio, parabéns pelo artigo, gostaria de saber se após o exercício de alta intensidade (partida de futebol) é recomendando no treinamento seguinte treino regenerativo? como é feito?

  5. Olá dr Turibio, preciso de ajuda, meu músculo esta dolorido porque faço alongamento; exercícios de flexibilidade … devo alongar no dia seguinte para continuar progredindo ou tenho que parar? Abraços.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s