SÓCRATES – UMA HISTÓRIA INCRÍVEL

Se o destino não tivesse sido tão ingrato, nesta semana um grande amigo estaria comemorando 60 anos: Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira, ou simplesmente Magrão.
Quem teve a felicidade de conviver com ele, certamente tem hoje o coração cheio de saudades. Eu tive a satisfação de tê-lo, primeiro como aluno do curso de Medicina Esportiva na UNIFESP, e depois como amigo durante mais de 20 anos.
O Magrão era sinônimo de muita coisa boa: alegria de viver, amizade sincera, boa música, conversas intermináveis e sobretudo, era sinônimo de uma bondade para com os amigos que poucos conheciam, pois ele fazia questão de não divulgar seus atos de desprendimento para com quem ele podia ajudar nos momentos difíceis.
Ele era também protagonista de histórias incríveis, as quais tinha enorme prazer em narrar para os amigos, geralmente regadas com muita cerveja gelada.
Uma dessas histórias é verdadeiramente incrível. Ocorreu por ocasião da primeira vez que ele jogou no Pacaembu, pelo Botafogo de Ribeirão Preto contra o Corinthians, na época em que além de jogar como profissional, ele estudava Medicina na USP de Ribeirão.
O jogo seria numa quarta-feira à noite em São Paulo e coincidia com uma prova que ele teria na Faculdade no mesmo dia, no período da tarde. Ao constatar o problema foi comunicar aos dirigentes do Botafogo que não poderia jogar, pois sua prioridade era o curso de Medicina, e perder a prova significava perder o ano.
De imediato os dirigentes elaboraram uma estratégia, pois ele era o jogador mais importante do time e sua presença era indispensável. Combinaram que um taxi o ficaria esperando na saída da Faculdade e assim que ele terminasse a prova o levaria direto para o estádio (naquela época não havia voo de Ribeirão para São Paulo).
Quando o taxi chegou ao Pacaembu, faltavam cerca de 15 minutos para o horário do jogo. O motorista na frente do estádio pergunta então ao Magrão por onde entrar, ao que ele responde não ter a menor ideia, pois era a primeira vez que jogaria ali.
Com sua calma habitual, dispensou o motorista, desceu do taxi e concluiu que só teria uma forma mais rápida de entrar, então ele simplesmente foi na bilheteria e comprou uma entrada!
Já dentro do estádio, localizou o túnel por onde deveria entrar o Botafogo e encostou no alambrado, no ponto mais próximo. Ao tentar argumentar com um guarda que precisava entrar, pois tinha que jogar, ouviu do segurança uma sonora gargalhada! Quando o guarda já se preparava para pedir reforço para deter aquele grandão maluco, um dirigente do Botafogo que estava na beira da entrada do túnel finalmente viu o Magrão e imediatamente orientou: Pula o alambrado! Imaginem a cena: Minutos antes do time entrar em campo, um grandão magro vestido de branco pula o alambrado, acompanhado do olhar estupefato dos guardas e entra correndo túnel abaixo.
Nesta hora o time do Botafogo que já estava no túnel para entrar em campo, interrompe a entrada e o Magrão troca de roupa na escada e entra para jogar sem aquecimento, nem nada.
Perguntado sobre o resultado do jogo ele responde que houve empate e ele fez 2 gols! Para terminar a história ele argumentava: Eu devia entrar para o Guiness, pois devo ser o único jogador profissional que pagou para jogar!!!
Que saudade do Magrão!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s