TATUAGEM E SUDORESE

Uma prática cada vez mais comum entre atletas e praticantes de atividades físicas é a arte da tatuagem.

Na última década, pode-se notar o aumento expressivo do número e tamanho das tatuagens, que muitas vezes cobrem grande parte do corpo dos atletas.

Deixando preferências pessoais a parte, uma dúvida que sempre permeou as discussões entre fisiologistas do exercício é a da possível interferência das tatuagens no mecanismo da sudorese e dessa forma ser de algum modo prejudicial aos praticantes de atividades físicas.

Quando fazemos exercício, o corpo produz calor que precisa ser dissipado para evitar a elevação da temperatura central além dos limites da normalidade (condição chamada de hipertermia). Para dissipar o calor produzido, a pele produz e evapora o suor. Quando o suor evapora, o corpo resfria. A eficiência dessa dissipação de calor é fator determinante para a performance e para a saúde.

Portanto é bastante pertinente considerar se o fato de depositar tinta na pele é capaz de alterar a taxa e a concentração de sudorese.

A fim de começar a esclarecer essa dúvida e tornar profunda a discussão, pesquisadores americanos publicaram um estudo na Medicine and Science in Sports and Exercise em que avaliaram 10 indivíduos com tatuagem que cobria pelo menos 5 cm de área circular de pele em um lado do corpo e compararam o lado tatuado e o não tatuado.

Os pesquisadores induziram artificialmente a sudorese e observaram que a pele tatuada produzia menos suor do que a pele não tatuada e a concentração de sódio no suor era maior, indicando que a tatuagem pode interferir negativamente sobre o mecanismo de sudorese.

Apesar de ainda não existir um consenso na literatura e as pesquisas serem muito recentes, não podemos deixar de considerar que talvez para atletas e praticantes de atividades físicas cujas modalidade esportivas sejam fortemente influenciadas pela eficiência no sistema termorregulatório (corrida, bike, futebol etc), tatuagens extensas, cobrindo grandes porções do corpo podem interferir negativamente na regulação térmica, prejudicando consequentemente a performance.

Num pais tropical como o nosso, com temperaturas muito elevadas durante eventos esportivos, este  efeito deve ser visto como um possível problema, ainda mais com a constatação de que alguns atletas já se apresentam com a maior parte do corpo coberto por tatuagens.

O que vale mais, a vaidade ou a melhor performance?

Med Sci Sports Exerc. 2017 Jul;49(7):1432-1436

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s